1 de maio de 2016

Para ti Mãe... Bolo de Limão e Morango

Yum



Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
— mistério profundo —
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade, in 'Lição de Coisas'






Bolo de Limão e Morango

Ingredientes (2 bolos de Ø12cm)
Bolo
4 Ovos
1 pitada de Sal fino
150g de Açúcar
80g de Farinha de Trigo
80g de Amido de Milho (Farinha Maizena©)
2 c. chá de Fermento em Pó
50g de Manteiga
6 c. sopa de Sumo de Laranja
9 c. sopa de Sumo de Limão
Recheio e cobertura
Swiss Merengue Buttercream
Claras de Ovo, à temperatura ambiente
230g de Manteiga amolecida (não é derretida!)
150g de Açúcar granulado
1 pitada de Sal
1 c. sopa de Extrato de Baunilha
Cerca de 5 c. sopa de Compota de Morango
Morangos, lavados e sem pedúnculo, e fatiados finamente

Morangos, Gipsofila, raspas de Chocolate Negro e Flores de Coentros para decorar (opcional)
Preparação:

Bolo
  1. Unte 2 formas de Ø12cm com um pouco de manteiga e forre o fundo com papel vegetal.
  2. Pré-aqueça a forno a 190ºC.
  3. Separe as gemas das claras. Bata as claras em castelo com uma pitada de sal e depois misture metade da quantidade de açúcar. Continue a bater até o açúcar estar completamente dissolvido e as claras bem firmes. Reserve no frigorífico.
  4. Bata as gemas com o restante açúcar até obter uma gemada amarelo claro. Misture a farinha com o amido de milho e o fermento em pó, e peneire sobre a gemada.
  5. Derreta a manteiga e adicione-a, ainda morna, à massa de ovo.
  6. Por fim, envolva as claras em castelo, delicadamente, e faseado.
  7. Distribua a massa pelas duas formas e leve ao forno.
  8. Tape com folha de alumínio, e deixe cozer por 15 minutos.Depois destape e deixe cozer por mais 10 a 20 minutos ou até que os bolos estejam cozidos. Verifique se está cozido espetando um palito no centro da massa. Estará cozido quando o palito sair completamente limpo, sem massa. Caso os bolos comecem a ficar muito queimados por cima volte a tapar com a folha de alumínio até estarem completamente cozidos.
  9. Retire do forno, e deixe amornar dentro da forma. Desenforme e deixe os bolos arrefecerem por completo numa rede.


Buttercream
O buttercream convém ser feito numa batedeira automática, senão será um processo demorado e bastante cansativo.
  1. Aqueça um tacho com água ao lume - não é preciso muita água, só o suficiente para criar vapor de água, e para que não toque no fundo da taça que vai usar para bater as claras. Na taça da sua batedeira junte as claras, o açúcar e o sal e coloque a taça sobre o tacho – lembre-se que a taça não pode tocar diretamente na água, senão irá cozer as claras. Mexa energicamente com uma vara de arames até o açúcar se dissolver.  Nota: Se estiver a usar um termómetro as claras estarão no ponto para atingir os 140º. Sem o termómetro estão no ponto quando, ao esfregar os dedos com um pouco da mistura, já não se sentir os grãos de açúcar.
  2. Transfira de imediato a taça para a batedeira, e comece a bater numa potência média-baixa, aumentando a potência gradualmente até ao máximo e bata as claras até que fiquem brilhantes e formem picos bem firmes, o que deve demorar cerca de 5 a 7 minutos. O tempo deste processo vai variar obviamente de acordo com a potência das vossas batedeiras. O importante é que o merengue fique bem firme.
  3. Antes de juntar a manteiga a taça onde tem o merengue tem de estar completamente fria. Para acelerar o processo pode use um pano húmido ou um saco com gelo, enrolando-o à volta da taça da batedeira.
  4. Quando a taça estiver fria ao toque, e numa velocidade média, adicione a manteiga aos poucos. Vá aumentando a velocidade gradualmente, até ao máximo. Deixe bater, sem parar, por cerca de 10-15 minutos, até obter um creme liso e macio.
  5. Adicione o extrato de baunilha e 3 colheres de sopa de compota de morango, e voltar a bater para misturar.


Montagem
  1. Com o auxílio de um nivelador de bolos, corte o topo de cada bolo deixando a superfície uniforme. Divida cada bolo em duas partes iguais, de modo a que fique com 4 discos todos da mesma altura.
  2. Misture o sumo de laranja com o sumo de limão, e pincele os quatro discos de bolo com o sumo.
  3. Espalhe um pouco de buttercream no prato onde vai servir o bolo. Este irá servir de cola.
  4. Coloque um dos discos de bolo no prato ou base e cubra com buttercream usando um saco de pasteleiro, e fazendo anéis, começando na parte exterior e indo para o centro. Por cima do buttercream coloque morangos fatiados.
  5. Sobreponha o segundo bolo e comprima ligeiramente.
  6. Volte a cobrir com buttercream, mas desta vez faça só dois anéis no lado exterior do bolo. Por cima destes dois anéis, e de modo a ficar no centro dos dois, faça um novo anel. No centro  do bolo, espalhe compota de morango, de modo a que não ultrapasse a altura dos anéis de buttercream, ou correrá o risco da compota escorrer para fora.
  7. Sobreponha o terceiro disco fazendo uma pressão muito ligeira.
  8. Repita a operação que realizou no primeiro disco de bolo.
  9. Coloque no topo o quarto e último bolo.
  10. Barre o topo e preencha os espaços vazios laterais do bolo com buttercream. Com uma espátula, alise o topo do bolo e em toda a volta, até que o buttercream fique uniforme.
  11. Decore a gosto com os morangos, as raspas de chocolate e as flores, e coloque a refrigerar se não for para servir de imediato, tendo o cuidado de o retirar no mínimo 30 minutos antes de servir.


Bom Apetite!

Maio é mês de ..... Morangos!

Yum
A escolha do ingrediente para o mês de Maio não foi nada fácil….
A variedade e as possibilidades de escolha eram muitas e todas muito boas…. Tínhamos por exemplo os espargos, as ameixas que já começam a aparecer, as favas, as nêsperas, os tomates…..  mas acabei por me decidir pelos morangos. Estamos no mês em que eles estão mais apetecíveis e seria um desperdício não os aproveitar!

Assim, pelo segundo mês convido-vos a juntarem-se a mim, e a trazerem receitas com morangos :)



Se se quiserem juntar a mim, basta que deixem o link da vossa receita nos comentários desta publicação.
Se não tiverem blogue podem enviar-me um mail com a receita e uma foto e eu farei a sua publicação, com os devidos créditos.

Espero que tenham gostado da escolha para este mês e se sintam muito inspirados!!






O morango é uma das frutas mais populares do mundo, sendo o seu aroma e sabor inconfundíveis e irresistíveis. Esta é por excelência a fruta dos apaixonados, associada a momentos românticos…

Apesar de haver mais de 600 variedades de morangos que diferem no que respeita ao sabor, tamanho e textura, podemos normalmente identificar os morangos pelo seu corpo vermelho com sementes amarelas à superfície e a cápsula e caule pequenos, verdes e magnificentes que adornam a sua coroa. Para além dos morangos que são cultivados, há também variedades silvestres. Estas são de tamanho muito mais pequeno, mas têm um sabor mais intenso.
O seu sabor ácido e adocicado e a cor vermelho profundo podem animar tanto o sabor como a aparência de qualquer refeição.

Extremamente refrescantes, aromáticos e saborosos, do ponto de vista nutritivo oferecem um sem fim de benefícios e muito poucas calorias.
É uma fruta ótima para ser incluída como sobremesa ou lanche em dietas de emagrecimento porque cada morango tem aproximadamente 5 calorias.



Além disso, o morango tem propriedades diuréticas, é rico em vitamina C, que ajuda na cicatrização dos ferimentos, fortalece a parede dos vasos sanguíneos melhorando a circulação e aumenta a absorção do ferro combatendo a anemia.

Existem alguns cuidados que deve ter em conta antes de os consumir:

- Podem provocar reações alérgicas, sob a forma de erupções, ou agravar a dermatite alérgica, por isso consuma-os com precaução, especialmente se os estiver a consumir pela primeira vez;
- Escolha os frutos de vermelho vivo, com as folhas verdes, e sem manchas ou partes que já estejam amolecidas;
- Lave-os em água corrente abundante, sem tirar o raminho verde; não os deixe de molho, pois perdem o sabor e ficam murchos;
- O calor e a humidade são os seus maiores inimigos. Por serem muito sensíveis conserve-os num lugar fresco e seco;
- Pode conservá-los no frigorífico, sem serem lavados;
- De preferência consuma-os ao natural e inteiros! É desta forma que conseguirá tirar maior partido de todos os seus nutrientes; ao cortá-los, o contato com o oxigênio fará com que parte das substâncias antioxidantes se percam;
- São ótimos em sumos, batidos, doces, gelatinas, bolos, tartes, pudins, saladas, xaropes, licores, …  um sem número de variações.

Boas receitas!!



Fontes
http://lifestyle.sapo.pt/
http://www.remedio-caseiro.com/

http://www.tuasaude.com/

E assim foi o Abril!...

Yum
Diz o ditado “ Abril águas mil”, e este fez questão de não contrariar o ditado.

Mas apesar da chuva, os dias maiores, os campos floridos, o chilrear frenético dos pássaros, e as temperaturas mais amenas, são factores que contribuem para que estejamos mais descontraídos e alegres. O renovar da Natureza contagia-nos, e renova-nos. E num instante o tempo passa. Pelo menos foi essa a sensação que tive, que o mês passou num piscar de olhos. Quando estamos entretidos com o que gostamos de fazer, com o que efectivamente nos dá prazer, o tempo foge. Completamente empenhada em trazer o máximo de receitas que conseguisse para a nossa mesa, os dias foram passando rapidamente.

Não consegui trazer nem metade das receitas que tinha previsto, mas acho que a minha lacuna foi sobejamente compensada pela vossa presença e pelas receitas maravilhosas que foram trazendo. Foi maravilhoso ir vendo a nossa mesa a ficar cheia de propostas deliciosas. O carinho com que o meu convite foi aceite deixa-me sem palavras. Obrigado a todos quantos se quiseram juntar a mim a celebrar este mês de Abril, o mês da primavera, desta forma tão apetitosa!

E sem demoras vamos para a mesa!! 




30 de abril de 2016

Bolo de Ervilhas

Yum
E eis que chegámos ao último dia do mês de Abril.
E com o final do mês acaba também a rúbrica que lancei no seu início, o mês dedicado às ervilhas!
Queria dar por terminada a rúbrica deste mês de uma forma que fosse absolutamente diferente, e por isso escolhi este bolo.




Pensem comigo: temos bolos de cenoura, de abóbora, de espinafres, de agrião, de beterraba, de batata…..   eis que chega o momento do bolo de ervilhas!
É um bolo diferente, certamente. Não vos vou dizer que é o melhor bolo que já provei, mas também vos digo que não é de todo o pior. É bastante agradável, com um sabor fresco, e perfumado, e não me arrependo nem um segundo de o ter feito.
Foi ótimo poder voltar a pôr em prática as técnicas que aprendi no WS da Migalha Doce. Foi uma receita que me deu muito prazer fazer, fotografar, e comer.
Por isso, asseguro-vos que esta rúbrica não poderia ter acabado de melhor forma!
Quero agradecer IMENSO, a todos, e foram muitos!, os que aceitaram o meu convite e se juntaram a mim nesta tarefa de usar este ingrediente de época, e encher uma mesa de receitas fabulosas e deliciosas.
Amanhã, divulgarei o próximo ingrediente para o mês de Maio, e convido-vos a sentarmo-nos todos à mesa, à nossa mesa, e a degustar as tantas e tão boas receitas que fomos trazendo.
Por agora desfrutem este fantástico Bolo de Ervilha!!





Ingredientes (para um bolo de 3 camadas de 16cm):
Receita adaptada daqui
Bolo
2 chávenas de Ervilhas Frescas
8 Folhas de Hortelã fresca
150g de Manteiga, à temperatura ambiente
120g de Açúcar
3 Ovos, à temperatura ambiente
2 c. chá de Extrato de Baunilha
240g de Farinha de Trigo
2 c. chá de Fermento em Pó
½ c. chá de Sal
Rebentos de Ervilha para decorar (opcional)

Recheio e cobertura
Swiss Merengue Buttercream
3 Claras de Ovo, à temperatura ambiente
230g de Manteiga amolecida (não é derretida!)
150g de Açúcar granulado
1 pitada de Sal
1 c. sopa de Extrato de Baunilha
Curd de Hortelã
½ chávena de Açúcar
1 c. sopa de Amido de Milho (vulgo Farinha Maizena©)
4 Folhas de Hortelã
½ chávena de Água
1 Gema de Ovo
½ c. chá de Extrato de Baunilha
1 c. sopa de Manteiga
Algumas gotas de Corante Alimentar Verde

2 c. sopa de Amêndoas Laminadas





Preparação:
Unte 3 formas de 16cm e polvilhe com um pouco de farinha.
Coloque uma panela ao lume com água suficiente para cozer as ervilhas, e deixe levantar fervura. Adicione as ervilhas e deixe cozinhar por não mais de 5 minutos.
Escorra a água, e coloque-as de imediato em água fria, para que parem o processo de cozedura e não percam a sua cor verde. De seguida coloque-as num passador de rede, para arrefecerem e escorrerem o máximo de água possível.
Coloque-as num processador de alimentos, juntamente com as folhas de hortelã, e processe até que esteja uma mistura bem homogénea e macia. Reserve.
Numa taça bata a manteiga e o açúcar até obter uma mistura bem cremosa.
Noutra tigela bata os ovos e o extrato de baunilha.
Adicione a mistura de ovo ao creme de manteiga e misture bem.
Junte as ervilhas e misture de novo.
Peneire a farinha, o fermento em pó e o sal.
Adicione a farinha à mistura de ervilhas, batendo continuamente.
Divide a massa uniformemente pelas formas e leve ao forno pré-aquecido a 180ºc por cerca de 35 minutos ou até que esteja cozido. Verifique se está cozido espetando um palito no centro da massa. Estará cozido quando o palito sair completamente limpo, sem massa.

Enquanto os bolos cozem prepare o curd de hortelã.
Numa panela média, misture o açúcar e o amido de milho. Adicione a água e as folhas de hortelã e cozinhe em fogo médio por 5 a 7 minutos ou até que engrosse ligeiramente. Coe a mistura, para retirar as folhas de hortelã.
Numa tigela, bata ligeiramente as gemas. Mexendo sempre, despeje um quarto da mistura de açúcar quente nas gemas. Adicione a mistura de gema de ovo de volta à restante mistura de açúcar quente, mexendo para misturar. Cozinhe em fogo médio por mais uns 4 minutos ou até engrossar, mexendo sempre. Retire do lume, adicione a manteiga e mexa até que esteja completamente derretida. Junte uma 2 a 3 gotas do corante alimentar verde, e envolva bem. Vá adicionando mais gotas até atingir a cor desejada.
Deixe arrefecer por completo antes de usar.
Nota: o que sobrar depois de rechear o bolo coloque num recipiente hermeticamente fechado e guarde no frigorífico até 2 semanas.

Retire os bolos do forno, e deixe que amornarem um pouco antes de os desenformar e retirar para uma rede, para arrefecerem por completo.

Enquanto os bolos arrefecem, prepare o buttercream.

O buttercream convém ser feito numa batedeira automática, senão será um processo demorado e bastante cansativo.

Aqueça um tacho com água ao lume - não é preciso muita água, só o suficiente para criar vapor de água, e para que não toque no fundo da taça que vai usar para bater as claras. Na taça da sua batedeira junte as claras, o açúcar e o sal e coloque a taça sobre o tacho – lembre-se que a taça não pode tocar diretamente na água, senão irá cozer as claras. Mexa energicamente com uma vara de arames até o açúcar se dissolver.
Nota: Se estiver a usar um termómetro as claras estarão no ponto para atingir os 140º. Sem o termómetro estão no ponto quando, ao esfregar os dedos com um pouco da mistura, já não se sentir os grãos de açúcar.

Transfira de imediato a taça para a batedeira, e comece a bater numa potência média-baixa, aumentando a potência gradualmente até ao máximo e bata as claras até que fiquem brilhantes e formem picos bem firmes, o que deve demorar cerca de 5 a 7 minutos. O tempo deste processo vai variar obviamente de acordo com a potência das vossas batedeiras. O importante é que o merengue fique bem firme.

Antes de juntar a manteiga a taça onde tem o merengue tem de estar completamente fria. Para acelerar o processo pode use um pano húmido ou um saco com gelo, enrolando-o à volta da taça da batedeira.

Quando a taça estiver fria ao toque, e numa velocidade média, adicione a manteiga aos poucos. Vá aumentando a velocidade gradualmente, até ao máximo. Deixe bater, sem parar, por cerca de 10-15 minutos, até obter um creme liso e macio.

Adicione o extrato de baunilha e voltar a bater para misturar.

Montagem
Se necessário acerte o topo dos bolos deixando a superfície uniforme e lisa, e para que os bolos fiquem os 3 do mesmo tamanho.
Espalhe um pouco de buttercream no prato onde vai servir o bolo. Este irá servir de "cola".
Coloque um dos bolos no prato ou base e cubra com buttercream usando um saco de pasteleiro, e fazendo anéis, começando na parte exterior e indo para o centro. Por cima do buttercream distribua as amêndoas.
Sobreponha o segundo bolo e comprima ligeiramente.
Volte a cobrir com buttercream, mas desta vez faça só dois anéis no lado exterior do bolo. Por cima destes dois anéis, e de modo a ficar no centro dos dois, faça um novo anel. No centro  do bolo, espalhe um pouco de curd de hortelã, de modo a que não ultrapasse a altura dos anéis de buttercream, ou correrá o risco do curd escorrer para fora.
Sobreponha o terceiro e ultimo bolo, fazendo uma pressão muito ligeira.
Barre o topo e preencha os espaços vazios laterais do bolo com buttercream. Com uma espátula, alise o topo do bolo e em toda a volta, até que o buttercream fique uniforme.

Decore a gosto com rebentos de ervilhas e coloque a refrigerar se não for para servir de imediato, tendo o cuidado de o retirar no mínimo 30 minutos antes de servir.

Bom Apetite!

27 de abril de 2016

Bolo de Carne com Arroz e Ervilhas

Yum





Ao primeiro olhar, esta receita pode parecer difícil de confecionar, mas a verdade é que é muito simples.
Tem vários passos, é certo, mas todos eles fáceis.

Resulta numa refeição ideal para os dias amenos de primavera que finalmente nos brindam, e pode servir tanto como entrada, ou refeição principal. A escolha é vossa.

Certo é que é uma refeição visualmente muito bonita, tornando a nossa mesa ainda mais especial. Não acham?



Ingredientes (4 a 6 pessoas):
Receita adaptada daqui

Camada 1
1 chávena de Mistura de Frutos Secos (usei pinhão, nozes pecan e amêndoas)
2 c. sopa de Manteiga sem sal

Camada 2
500g Carne Picada (usei mistura de porco e vaca) **
1 c. sopa de Azeite
1 c. sopa de Concentrado de Tomate
1 Cebola grande, picada
2 dentes de Alho, picados
1 folha de Louro seco
1 haste pequena de Tomilho-limão (usar só as folhas)
Sal e Pimenta, a gosto

Camada 3
500g Ervilhas
Sal, uma pitada

Camada 4
1 chávena de Arroz Jasmin Pato Real
2 chávenas de Água Quente
1 c. sopa de Creme Vegetal
Sal e Pimenta, a gosto

Preparação:

Camada 1
Numa panela pequena ou frigideira, e em fogo médio, salteie os frutos secos na manteiga até que fiquem dourados e aromáticos. Reserve.

Camada 2
Num tacho coloque o azeite, e refogue a cebola, os alhos e o louro, até que a cebola fique translúcida. Adicione o concentrado de tomate e deixe cozinhar mais uns segundos. Adicione a carne e tempere de sal e pimenta. Cozinhe até que a carne esteja tenra. Quando a carne estiver praticamente cozinhada junte as folhinhas de tomilho-limão e envolva bem na carne. Quando pronta retire do lume e reserve.
Nota: quando colocar a carne na forma, aconselho que a coloque sem que tenha muito caldo. Deverá escorrer o máximo que conseguir para que fique soltinha, para não se "colar" à forma, e assim facilitar a tarefa de desenformar.

Camada 3
Coloque uma panela com água temperada de sal ao lume, e quando a água estiver a ferver junte as ervilhas e deixe cozer por cerca de 3-5 minutos. De seguida, escorra e mergulhe-as em água gelada, para parar o processo de cozimento e para que mantenham a sua cor verde brilhante. Escorra-as e reserve.

Camada 4
Numa panela, em fogo médio, coloque o creme vegetal e quando estiver derretido junte o arroz, e deixe cozinhar por 1 minuto ou 2, até que o arroz fique branco em alguns pontos. Adicione a água quente. Deixe levantar fervura e em seguida, cubra o tacho e baixe o lume. Deixe cozinhar até que a água tenha sido completamente absorvida. Nessa altura apague o lume e deixe o arroz tapado por mais uns 5 minutos.

Montagem
Numa forma de bolo bundt, comece por espalhar uniformemente os frutos secos no fundo da forma.
Cubra com a carne, espalhando bem.
De seguida coloque as ervilhas.
Termine com a camada de arroz. Comprima o arroz com a ajuda das costas de uma colher de sopa, por exemplo, tão firme quanto possível, tentando fazer com que a superfície fique o mais plana possível, e de forma a compactar as camadas.
Cubra a forma com papel de alumínio e refrigere por uns minutos.

Cuidadosamente, vire o bolo sobre uma superfície plana (use o prato onde vai servir ou uma tábua, por exemplo), e deixe ficar assim a forma invertida por 1-2 minutos antes de desenformar.

Desenforme e sirva.

Nota: É natural de que o bolo perca a sua forma à medida que vá retirando porções.




26 de abril de 2016

Um Gelado de Alfazema e um projeto deliciosamente português!

Yum
Hoje, além de uma receita, venho apresentar-vos um projeto maravilhoso, delicioso, familiar, bem português, e com produtos elaborados com o que de melhor temos, feito por quem melhor sabe.

Se vos falar em Geleia de Vinho Branco com Lima e Hortelã, ou talvez num Doce de Morango com Pimenta Preta e Vinho do Porto, ou ainda num Doce de Framboesa com licor NUMANTINU (licor de uva tradicional de Freixo de Numão) já prendi a vossa atenção?

Prendi, não prendi?

Então vou-vos falar um pouquinho deste projeto, a Casa Painova.




A Casa Painova é um projeto familiar de transformação de produtos que tem como objetivo inovar na mistura de sabores, usando como base os produtos tradicionais da Região do Douro e Vale do Côa. 

Nas suas propriedades agrícolas, herança de família há mais de 12 gerações, trabalham três principais culturas: a amêndoa, o azeite e o vinho.
Neste momento dedicam mais tempo à amêndoa tradicional caramelizada com diferentes sabores e as geleias de vinho, mas das suas cozinhas saem ainda maravilhosas compotas e chutneys, elaborados com produtos biológicos e maioritariamente de produção própria.

Poderão descobrir mais deste projeto na página de Facebook, ou através do Catálogo que podem ver aqui.

Naveguem, descubram, e deixem-se encantar pelos deliciosos e diferenciados produtos que ali vão encontrar.


Para a receita que trago hoje, usei a Geleia de Vinho Rosé com Alfazema, que usei como topping de um fresco gelado de Alfazema.
Esta geleia foi criada pela Daniela Carneiro, uma das mentoras da Casa Painova, especialmente para o Dia da Mãe.

Aproveitando que o dia da Mãe que está quase, quase aí, experimentem mimá-la com um produto diferente e especial Casa Painova. Uma ideia diferente, deliciosa e inovadora de a mimarem!

Que dizem?




Ingredientes (para aproximadamente 400ml de gelado):
Receita original Anasbageri
100ml de Natas (quanto maior a % de gordura, mais cremoso fica)
150ml de Leite
2 Gemas
60g de Açúcar de Alfazema
Nota: como não tinha Açúcar de Alfazema, juntei 1 colher chá de flores de Alfazema desidratadas ao leite.
Geleia de Vinho Rosé com Alfazema Casa Painova, a gosto




Preparação:
Junte as natas e o leite num tachinho e leve ao lume. Adicione as flores de alfazema.
Numa taça batam as gemas e o açúcar até obter um creme leve e fofo.
Assim que a mistura de nata levantar fervura retire do lume. Coe para retirar as folhas de alfazema.
Com uma concha, misture aos poucos as natas na mistura de ovo. Quando estiver tudo misturado leve de novo a lume brando até engrossar. Não pare de mexer, até notar que o creme engrossou um pouco. (Temperatura de 73ºC, caso estejam a usar um termómetro.)
Passe o creme por um passador de rede fina, e coloque primeiramente no frigorífico até estar completamente frio.
Faça o gelado numa máquina de gelados, de acordo com as indicações da máquina.
No caso de não terem máquina de gelados, coloquem o gelado no congelador e de vez em quando batam o creme com a batedeira enquanto está a solidificar, para evitar que se formem cristais de gelo.

Depois do gelado pronto, sirva acompanhado com a Geleia de Vinho Rosé com Alfazema Casa Painova.


Deliciem-se!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...